UnB se manifesta contra corte de gastos na área da ciência

28

Após reunião do Conselho Universitário da Universidade de Brasília (UnB), na sexta-feira (15/10), a instituição emitiu nota de repúdio em relação aos cortes de recursos submetidos pelo governo federal aos Ministérios da Ciência e Tecnologia (MCTI) e da Educação (MEC).
A universidade criticou ainda o sucateamento das agências de fomento ao ensino e à pesquisa como o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), a Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) e a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes).
De acordo com a UnB, “as políticas governamentais de retiradas maciças de recursos financeiros afetam dramaticamente a infraestrutura de pesquisa, formada por laboratórios e espaços de realização de experimentos científicos em todas as áreas do conhecimento, e a formação de pessoas em níveis de graduação e pós-graduação, fundamentais para o desenvolvimento do país”.
“Teremos alto índice de evasão, situação é dramática”, diz reitora da UnB
Apagão orçamentário cria epidemia de desânimo entre pesquisadores brasileiros
A tesourada mais recente que afeta a comunidade científica ocorreu na quinta-feira passada (7/10), quando o governo aprovou no Congresso o remanejamento de cerca de R$ 600 milhões destinados à pesquisa para outras áreas. O corte foi criticado pelo ministro da Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes, que considerou a atitude uma “falta de consideração”.
Em sua nota, a UnB lembra que o descaso com o financiamento da ciência brasileira pode levar a uma fuga de cérebros do país e atrapalhar o desenvolvimento nacional.
“O Brasil precisa do trabalho de cientistas em todas as áreas, para responder aos grandes problemas nacionais e internacionais, como as mudanças climáticas, a produção de alimentos em larga escala sem degradação do meio-ambiente, as grandes migrações, os novos paradigmas do trabalho com a forte automatização advinda dos avanços das tecnologias de informação e comunicação, as doenças endêmicas e pandêmicas, a pobreza e a desnutrição em países periféricos, dentre tantos outros”, afirma o texto.