Saúde do DF cria gabinete de crise para gerenciar falta de insumos

10

O secretário de Saúde General Pafiadache criou um gabinete de crise na última sexta-feira (24/9) para tentar solucionar o baixo estoque de insumos na rede pública do Distrito Federal. Segundo o chefe da pasta, os principais problemas estão na falta de reagentes e materiais de limpeza.
Conforme explicou em coletiva de imprensa nesta segunda-feira (27/9), Pafiadache passou a se reunir diariamente com responsáveis pelas áreas de compra, contratação e logística. “Se é uma coisa que está me preocupando hoje é a necessidade de insumos para alguns setores críticos”, disse.
Segundo ele, são vários fatores que fizeram a situação chegar no ponto que está, mas a ideia é corrigir tudo o mais rápido possível. “São diversas as variáveis, inclusive a troca de empresa que temos contratada. Tudo isso entrou nessa situação e nos trouxe essa problemática”, afirmou.
De acordo com o secretário, há coisas que já estão sem estoque. “A nossa prioridade é o que está faltando. Dentro dessa prioridade temos a área assistencial, como os reagentes, em uma segunda prioridade, se é que dá para dizer isso, tem a parte de material de limpeza que é tão importante quanto”, lembrou.
Pafiadache inclusive informou que teve uma reunião com o governador Ibaneis Rocha (MDB) para tentar achar soluções. “Estive com ele para que a gente possa diminuir o tempo de reação. Não funciona assim, tem o dinheiro, compra e no dia seguinte chega”.
Força-tarefa denunciou problemas no Hran
A força-tarefa Ação Covid-19 esteve no Hospital Regional da Asa Norte (Hran), na última quinta-feira (23/9), para averiguar denúncias sobre a falta de leitos para o tratamento do novo coronavírus na unidade. Segundo o portal InfoSaúde, do Governo do Distrito Federal (GDF), não há leitos de unidade de terapia intensiva (UTI) Covid para adultos no Hran. São apenas quatro UTIs neonatais, sendo que três estão ocupadas.
Até as 10h25 desta quinta (23), havia no hospital 17 leitos de unidade de cuidados intermediários (UCI) voltados para a Covid. Destes, três estão bloqueados e 14 são ocupados por pacientes, não havendo nenhum disponível.
A força-tarefa é composta por representantes de diferentes órgãos e entidades, como a Ordem dos Advogados do Brasil no DF (OAB-DF), o Conselho Regional de Enfermagem (Coren-DF), o Sindicato dos Enfermeiros (SindEnfermeiro) e a Comissão de Direitos Humanos da Câmara Legislativa do DF (CLDF), presidida pelo deputado distrital Fábio Felix (PSol).
O parlamentar esteve no hospital nesta quinta e apontou que há paciente intubado no pronto-socorro e que faltam insumos básicos de higiene – papel toalha e papel higiênico. A equipe médica também estaria reduzida.
“As primeiras impressões são muito ruins, especialmente na falta de recursos humanos. Há um esforço enorme da gestão local, dos trabalhadores, para que o atendimento seja feito da melhor forma, mas infelizmente há um déficit muito grande de recursos humanos, sejam técnicos de enfermagem, enfermeiras, médicos… Tem médico atendendo tanto a ala Covid quanto a ala não Covid, o que mistura o atendimento, é muito ruim, e acaba atrapalhando também o atendimento qualificado daqueles pacientes que agravam”, afirmou o Fábio Felix.
O que diz a Secretaria de Saúde do DF
Em nota, a Secretaria de Saúde do DF disse que “a direção do Hospital Regional do Asa Norte (Hran) informa que o hospital foi desmobilizado para atender pacientes não Covid”. “Atualmente, casos de Covid-19 recebidos na unidade são acolhidos e direcionados para os hospitais de campanha, de acordo com as necessidades individuais de cada um, e liberação de vagas em cada unidade.”

“Os pacientes são removidos pelo Núcleo de Apoio de Remoção do Paciente, sempre acompanhados por um médico, ou pelo Samu, a depender do quadro clínico apresentado. O Hran dispõe de dez leitos de retaguarda para internação de pacientes Covid no Pronto Socorro, além de três leitos de UCI para casos de agravamento. Hoje, no pronto-socorro 67 pacientes estão internados, o que supera a capacidade da unidade, que é de 52 leitos”, informou a pasta.