31 de janeiro: Dia Nacional de Enfrentamento e Prevenção da Hanseníase

336

O papel do Cirurgião-Dentista no auxílio do diagnóstico precoce da Hanseníase

Campanha mundial de combate à Hanseníase faz o alerta para o diagnóstico precoce e a cura da doença
Atualmente, o Brasil é o país em segundo lugar com mais casos da Hanseníase no mundo, perdendo somente para a Índia. Por ano, são registrados aproximadamente 30 mil casos em todo o país. 
A maioria dos pacientes de Hanseníase pode ser diagnosticada pela presença de lesões de pele e mucosas, com perda de sensibilidade. As lesões geralmente surgem nos membros superiores, face, além de membros inferiores e nádegas. O objetivo da campanha “Janeiro Roxo”, além de diagnosticar e tratar a população, também visa vencer o preconceito.

A data reforça o compromisso em controlar a doença, oferecer o diagnóstico, tratamentos, difundir informações e combater o preconceito.

A HANSENÍASE E A SAÚDE BUCAL

A Hanseníase, embora também comprometa a mucosa bucal, é uma doença pouco investigada nas pesquisas odontológicas. De acordo com dados divulgados pelo Ministério da Saúde, os estudos sobre a doença são desenvolvidos por pesquisadores ligados à Estomatologia e à Patologia bucal, em parceria com pesquisadores médicos especialistas e mesmo assim, são pouco divulgados, havendo uma falta de informação sobre os sintomas, muitas vezes ignorados pelo paciente.

O exame clínico pode ser feito pelo Cirurgião-Dentista e deve se estender além da cavidade bucal, permitindo não só o reconhecer os sinais e sintomas provenientes de alterações do complexo buco-maxilo-facial, mas também colhendo outras informações sobre o estado de saúde geral do paciente. 
O Sindicato dos Odontologistas do Distrito Federal – SODF faz um alerta para a categoria sobre a importância do diagnóstico da Hanseníase feito pelo Cirurgião-Dentista e destaca a importância de promover uma campanha de combate a uma doença que acomete grande parte da população mundial.